domingo, 26 de junho de 2011

Ninguém sabe o que é amor



Quando mais novo, presenciava amigos e conhecidos relatarem sobre como amavam seus namorados e o quanto aquilo que sentiam era, sim, amor, não havia dúvidas, acho que é ele, diziam, é ela. À época, pensava comigo mesmo que o que alegavam ser não era de fato amor, pois que todos terminavam seus relacionamentos e iniciavam outro, trocavam de parceiros porém não mudavam de frase, "eu te amo", "nunca amei alguém assim na vida", numa cansada repetição amarelada. Amor não poderia ser tão bobo, era quase uma negação minha, relutando a crer que era tão efêmero quanto me pulava aos olhos. Acreditava que afirmavam amar pois não sabiam o que era amor - e por acaso alguém sabe? - e que, à procura de demonstrar ao parceiro o quanto lhe queriam bem, diziam a frase e acreditavam sentir aquilo que falavam.

Só que ninguém sabe o que é amor... Visto que você pode sentir algo que nunca sentiu antes, a sensação mais forte da vida, e dizer que ama. Depois o relacionamento acaba e você encontra outra pessoa que faça com que você sinta algo ainda mais forte, e ali você também falará de amor. Ninguém nunca saberá quando ama, porque no futuro é capaz de ser mais forte, assim até a morte; pode ser que não, talvez a próxima vez seja uma droga, ninguém precisa ser tão positivo, mas pode ser que na outra em seguida apareça algo ainda mais intenso.

Não que o agora seja ruim. Isso tudo se assemelha àquela sensação de quando o político que você queria que chegasse ao Poder não chega: você não fica feliz, mas ao menos resta esperar que ele faça um governo mais qualificado do que o do candidato que estava antes fazia. O próximo amor, e somente ele, detém a característica de ser impossível afirmar como será, pois é futuro, então entra aí a chance de ser algo maior.

"Agora" não tem tempo, já que faz parte do presente - e o presente não pode ser medido pelo tempo, porque, após a medição, é passado. Por sua vez, o segundo do depois já nem faz parte, pois não é matéria e por isso não adentra em nossa dimensão. O amor não faz parte do tempo porque é sempre agora.

(Aguardamos o futuro...)

4 comentários:

Nara Sales disse...

Essa mania de dar nomes e medidas deixam o sentimento cair no clichê. Sábias palavras.

Isabela Pimentel disse...

Texto perfeito, Marcel!Parabens!

Anônimo disse...

Otimo texto! Foi legal, inclusive, ler aquele outro antes!

Nat disse...

Amor, amor, amor. Tão complicado isso, difícil de acreditar que existe e impossível de acreditar que é mentira.