quinta-feira, 24 de março de 2011

Todos escrevem mal


Eu escrevo centenas de letras aqui neste texto para falar do que eu quiser e do que vier à minha mente, posso falar de tanta coisa e falar de nada, posso fazer um texto em que não fale nada além do fato de que eu possa fazer um texto pra falar de nada, o que acarreta em você ter gastado um tempinho da sua vida para ler um texto em que nada é dito, será que você está com muita raiva? Ao menos eu estou sendo sincero ao dizer que não quero falar nada, às vezes há textos em que não há nada para ser dito mas parece que sim, então você lê e relê e não abstrai qualquer coisa, restando-lhe apenas criar um sentido e uma estrutura naquele emaranhado de palavras. Talvez isso seja até bom, visto que você é obrigado a pensar e imaginar, a partir do pressuposto de que é preciso reconstruir o texto à procura de um sentido.

O que me leva a pensar que os melhores textos são os piores, porque pelo menos instigam nossa imaginação. A partir de agora, baixa o decreto da escrita ruim: e todos irão escrever confusamente ou baseados em metalinguagem. De tão hermético o texto, nós lhe criamos o sentido. Eles - sentido e texto - se popularizam (a nós mesmos), e a escrita deixa de ser hermética.

A partir de agora, o dadaísmo.

5 comentários:

Natália Corrêa disse...

mas tua escrita fez tanto sentido que eu nem precisei me esforçar pra abstrair muita coisa.
Você precisa se esforçar mais pra escrever mal haha, mas sabe, a boa escrita também é capaz de despertar a imaginação. E faz mais, inspira! *-*
Enfim, o importante é colocar pra fora o que grita do lado de dentro. Memso que seja apenas um matraquear ininteligível.

Francimare Araújo disse...

achei que foi meio uma pegadinha.

Marcelo Mayer disse...

esses ismos foram criados pra que o erro virasse arte

Marcel Hartmann disse...

o que é erro? o que é arte?

Marcia disse...

se o cara escreve "pressuposto DE que", já avança uma casinha. \o/