domingo, 24 de janeiro de 2010

Sofridão

Racional e inteligentemente escolhes que é melhor não, que te machucarás, compartilham os mesmos amigos e se vocês terminarem? então o alguém te liga e diz, vamos nos ver?, e dizes, melhor não entenda minha decisão. E ele para por ali, mas tu não, pois antes de te dares conta é mais do que atração e queres seu corpo encaixado no teu. Já não podes, pois ele agora namora, e, veja só, foi tu que ajudaste no momento em que aconselhaste: "vai e te declara". Falaste isso sem arrependimento, mas com uma vontade de chorar, afinal isto era o certo a fazer, porém ainda te dói vê-lo de mãos dadas com outra pessoa. És forte e ainda convive com aquilo que parece ser o motivo do teu acordar e do teu dormir, pois sabes que sonharás com um mundo que não é real. Às vezes, vês ele acariciando aquele ser que não é tu, e parece que sentes a mão que mexe no cabelo e desce ao pescoço e massageia os ombros. Quando chegas perto dele, sentes um impulso que manda tocares no braço dele e a face dele e o peito dele e pensas, estou enlouquecendo? À noite, deitas e decides que é melhor não sonhar com aquele que esfola teu coração todos os dias; mas talvez por justamente ter tomado esta decisão, ele povoa teus sonhos de maneiras novas que jamais havias pensado em estado de vigília. Acordas e dizes para ti: "Hoje eu me afasto", então tem atitudes frias para esconder todo o calor que te queima por dentro. Ele vem e te indaga, porque estas palavras duras, que fez ele para ser tratado assim?, e pensas em dizer que o odeias por não ter feito nada, um ser que é tão pacato e não atenta contra ti, e por isto mesmo que o odeias, porque nem mesmo para levar a culpa serve e nem mesmo para odiar serve. Na verdade, tu te odeias. Mas não fazes isto, apenas dizes: "Me dê espaço", e sais a chorar intimimamente com vontade de atear fogo em teu corpo

(percebeste que não querias ele mas sua representação era todo o corpo representando a proteção que nunca tiveste ou pareceste não ter e viste que apesar de amá-lo e querê-lo bem amas muito mais e queres mais bem a ti . Decides sair do poço que não tem mais fim)

.

2 comentários:

Natália Corrêa disse...

É difícil sair de um poço que não tem fim, porque não adianta ir em frente, é preciso voltar, passar por tudo que já doeu e aprender a ser indiferente.

Dandara disse...

Me lembrou a nossa conversa, céu. É tipo saber que tem que pra sempre tentar colocar rédeas num cavalo selvagem. E tenta, e tenta.