sábado, 30 de janeiro de 2010

Roupa Nova


Gosto quando olhas pra mim e dizes que tenho cheiro de roupa nova. Sei muito bem de todos os conceitos que tens de mim implícitos neste elogio, e também sei que muitos deles são irreais e não correspondem à realidade; mas fico quieto, porque sei que isso acontece por estares blindada pela paixão. Eu também devo ter alguns conceitos assim, fantasiosos de ti, mas gosto que assim fique: quando der-me conta de que são irreais, ficarei feliz, pois saberei que nosso relacionamento amadureceu. Roupa nova é assim: tem cheiro bom e parece que ficou a vida toda de molho no amaciante, e

a gente têm um cuidado especial no começo, todo um mimo para que não amasse, não suje, e

quando usamos, intimimamente temos vontade de dizer para todo mundo: "olha minha roupa nova", mas não falamos, por ser puramente ridículo sair falando pros outros sobre a nossa roupa nova - nos salvamos por só pensar, e não falar -, e

dá um dó quando usamos e vemos que ela ficou fedida, e temos que a colocar para lavar: um saco, quem é que gosta de lavar roupa suja?, mas lavamos e assim vamos levando a nossa roupa, e

por motim individual, dá-nos qualquer vontade incontrolável de sairmos com nossa roupa nova para lugares que nunca iríamos com ela, pelo simples fato de estarmos com roupa nova e parece que ela nos acompanha; e assim vamos a lugares que nunca fomos antes e lugares que não costumávamos ir e lugares que outras pessoas sentiriam-se deslocadas, mas nós não, porque estamos com roupa nova, e

também sei que muitas pessoas, quando perguntadas sobre onde acharam a roupa nova, dizem, apareceu no meu armário, e bem sei que és uma dessas pessoas, e bem sei que

apareci inexplicavelmente em teu armário, como que se tivessem me metido lá, não sabes como e tampouco sei eu; só sei que apareci como se fosse por destino, e agora estou nesse teu armário que  só entram roupas especiais, esse armário que apesar de armário é tão claro e quente, esse armário que me faz me sentir tão bem e que me guarda como uma fortaleza, esse armário que hoje me guarnece, esse armário que dizem que é coração.

7 comentários:

Alan Félix disse...

Temos vontade de colocar uma nova casta e sair na esperança de ser notado por alguém que vai se tornar especial.

Precisamos de roupa nova, acessório novo, vida nova...

Tudo novo de novo".


abraço, meu caro!

Juliana disse...

quando a roupa nos veste direitinho, aí é melhor ainda.

Taty e Ana disse...

Ai ti lindoooooooooooo!!!!!!! Também quero uma roupa nova encontrada por acaso no meu armário. Uma que vista bem (bem lembrado Juliana), que tenha cheiro de coisa nova e que vá comigo grudada ao meu corpo e suor.
Não importo de lava-la, não. São também, as coisas boas da vida..
Afinal, quem não gosta do sapato velho, da camisa aconchegante e daquela calça larga?

Tia Augusta disse...

e eu com frio, rapaz!

Ana Luisa Pacheco disse...

Num sei pq, mas acredito ter tido alguma influencia nessa metafora.

beijo.

Marcel Hartmann disse...

Pelo menos não conscientemente.

Natália Corrêa disse...

Mas enquanto as roupas novas comuns de tão usadas ficam velhas
tu és roupa nova eterna
que se renova todo os dias
dentro do meu armário
e do meu peito.