segunda-feira, 26 de abril de 2010

Caprichos e desleixos

inverno
primavera
poeta é
quem se considera

(Leminski, Caprichos e Relaxos)

*

Se te pareço noturna e imperfeita

Olha-me de novo. Porque esta noite
Olhei-me a mim, como se tu me olhasses.
E era como se a água
Desejasse

Escapar de sua casa que é o rio
E deslizando apenas, nem tocar a margem.
Te olhei. E há tanto tempo
Entendo que sou terra. Há tanto tempo
Espero
Que o teu corpo de água mais fraterno
Se estenda sobre o meu. Pastor e nauta

Olha-me de novo. Com menos altivez.
E mais atento.

*
 
Ama-me. É tempo ainda.

Interroga-me.
E eu te direi que o nosso tempo é agora.
Esplêndida avidez,
vasta ventura
Porque é mais vasto
o sonho que elabora

Há tanto tempo
sua própria tessitura.

Ama-me.
Embora eu te pareça
Demasiado intensa.
E de aspereza.
E transitória
se tu me repensas.

(Hilda Hilst últimos dois)

6 comentários:

Marcelo Mayer disse...

desencana rapaz. vc é mais feliz que muito blogueiro por ai

Juliana disse...

enquanto tu não postar esse blog com a mesma frequência que eu posto no meu, tá tranquilo :]

Charlie B. disse...

Ando sem tempo pro meu blog, cansado, com sono e estressado. Estamos juntos nessa, rs.

Gostei do primeiro poema!

Charlie B.

disse...

Marcelo disse certo, bom mesmo é não ter tempo pra tudo. Sinal que estamos tendo de tudo pra encher o tempo. haha

Boa sorte com os novos caminhos.

Ando apaixonadissima pelas palavras da Hilda Hilst, fico horas lendo as mesmas coisas. haha, muito bom o Leminski também.

beijos.

sarah disse...

As vezes estamos tão ocupados com tantas coisas que nos envolve que acabamos esquecendo da nossa alma.
Mas é natural, não somos de ferro !


sorte pra você :)
não suma.

Erica Ferro disse...

"inverno
primavera
poeta é
quem se considera"

Gostei disso MUITO.
Tudo bem, vale a pena esperar por teus textos.
;*