domingo, 18 de abril de 2010

Peso

Nesta selva imunda que é nossa companhia de todo o dia é que impressiona ver o belo no velho: o cuidado na mediocridade. Adianta nada andarmos na rua e encararmos pessoas que nunca mais veremos - com destinos que imaginamos e respostas que também criamos só para sentirmos que somos superpoderosos. O que vale mesmo é pararmos quietos e encararmos que ao nosso redor existem pessoas com destinos que não imaginamos e respostas que não inventamos. Triste quem fecha os olhos para isso e passa a entender que basta somente o seu futuro: somente o seu destino a desembocar num mar gigante. Mas se esquece que para formar um mar há muitos outros rios para alimentá-lo. Um mar é feito de várias águas, e somos apenas gotas? - que não se controlam que não se contentam. Atuação mínima ao redor resulta em consequência (maléfica malévola?) máxima no interior. Perto da gente também se escondem vidas complicadas e histórias densas. Porque costumamos acreditar que nossos problemas são os piores e até somos imaturos neste aspecto: egocêntricos. Outros também vivem: outros também choram. Se esquece que o outro é também denso.

Mais do que a água.
Menos do que todos os sentidos.

Denso é o teu viver.
Mas assim é o meu também.

(O ser humano é de dois materiais:
Carne e alma,
Pesados na mesma medida.)

7 comentários:

Marcelo Mayer disse...

as costas ficam machucadas... e muito

Natália Paes disse...

PERFEITO...

Erica Ferro disse...

"Denso é o teu viver.
Mas assim é o meu também."

Não posso esquecer disso.

Belo, Hartmann!

Um abraço.

Inês disse...

Somos poeira estelar...

Olívia Yale disse...

É a procura de um milagre, é a procura de algo q nos falta...do desejo primario de ser feliz...

Ana Luisa Pacheco disse...

casa comigo?
depois disso eu mudo de opção sexual!
"Mas se esquece que para formar um mar há muitos outros rios para alimentá-lo."
rios, fontes, esgotos, cachoeiras, há coisas boas e ruins num mar de gente,
num mar DA gente.
Enxergar o outro é si enxergar.
enxergar o rio ao lado é saber que ele tambem vai para o mesmo mar que a gente.

a gente vai pro mesmo lugar,pro mesmo mar de palavras
no final vamos todos ler poesias e fumar charuto enquanto relembramos nossa época de adolescentes/jovens/adultos/
crianças/velhos blogueiros.

Francimare Araújo disse...

"(O ser humano é de dois materiais:
carne e alma,
pesados na mesma medida.)"


E uma vez você disse que gostava de frases de impacto no final, e então é o que você fez belíssimamente.

Sou tua fã cara!!

Abraço!